CRUZEX 2018, a presença da Força Aérea do Peru.
7629
post-template-default,single,single-post,postid-7629,single-format-standard,bridge-core-1.0.5,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,qode-theme-ver-18.1,qode-theme-bridge,disabled_footer_bottom,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.2,vc_responsive
 

CRUZEX 2018, a presença da Força Aérea do Peru.

CRUZEX 2018, a presença da Força Aérea do Peru.

Estreiando na Cruzex, o Peru enviou  aeronaves Mirage 2000 e  aeronaves A-37B Dragonfly. A primeira participação do país andino com aviões seria na Cruzex 2006, abortada após um acidente fatal com um A-37B durante o deslocamento. Desde então o país esteve presente enviando observadores, sem emprego de meios aéreos.  Na edição atual a Força Aérea Peruana enviou 04 unidades de cada modelo e um contingente de militares de apoio.
Todas as aeronaves são aviões antigos, os Mirage 2000 datando de 1986 e os A-37B Dragonfly da década de 70. Em 2014 os Mirage passaram por um processo de modernização em seus aviônicos, dando-lhes uma sobrevida na Força Aérea. Uma deficiência notada nos Mirage   monoplace é a ausência do probe (haste) de reabastecimento em vôo, fator delimitador de seu campo de atuação, exceto nos Mirage F-2000 biplace , que possuem a referida haste .
A Cruzex foi também o primeiro exercício de treinamento no qual a Força Aérea do Peru atuou junto com aeronaves de combate do Chile, países vizinhos que tem um histórico de animosidades desde a Guerra do Pacífico, no sec 19. Na coletiva de imprensa ambos os representantes (generais) dos países disseram que os objetivos são a integração da América do Sul e o treinamento conjunto visando futuras ações, como emprego pela ONU, por exemplo.