CRUZEX 2018, a presença de Uruguai e Chile
7617
post-template-default,single,single-post,postid-7617,single-format-standard,bridge-core-1.0.5,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,qode-theme-ver-18.1,qode-theme-bridge,disabled_footer_bottom,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.2,vc_responsive
 

CRUZEX 2018, a presença de Uruguai e Chile

CRUZEX 2018, a presença de Uruguai e Chile

A Força Aérea do Uruguai marcou novamente sua presença na Cruzex, trazendo suas aeronaves a jato A-37B Dragonfly. Nos eventos anteriores, além do A-37 o país vizinho também trazia suas aeronaves turbohélices IA-58 Pucará, os quais já foram desativados. Este pequeno jato, desenvolvido a partir do treinador T-37, teve grande atuação na guerra do Vietnã, fornecendo apoio ás tropas avançadas e, posteriormente, utilizado por diversos países como plataforma para a luta contra insurgentes.
Segundo o Cmt da delegação uruguaia, Cel Parentini , a Cruzex foi “ uma ótima experiência para compartilhar expertises entre os participantes. É a chance de vermos como as outras Forças Aéreas atuam, trabalhar em conjunto e tentar voar da forma mais efetiva e segura possível”.

 

 

 

Em sua quarta participação na Cruzex, o Chile enviou 05 aeronaves de caça F-16AM Fighting Falcon e uma aeronave de reabastecimento em vôo, Boeing KC-135 Stratotanker. No total, entre pilotos e equipes de apoio vieram cerca de 90 militares. Pela primeira vez operaram lado a lado com a aviação de caça do Peru, que foi a estreante no exercício. Um dos diferenciais da operação dos caças chilenos é sua doutrina de utilização dos paraquedas de frenagem durante os pousos.  Em todos os pousos dos caças F-16 foram observados o acionamento deste dispositivo, ao contrário dos F-16 norteamericanos.