British Airways encerra operação com 747 no Brasil.
4086
post-template-default,single,single-post,postid-4086,single-format-standard,bridge-core-1.0.5,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,qode-theme-ver-18.1,qode-theme-bridge,disabled_footer_bottom,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.2,vc_responsive
 

British Airways encerra operação com 747 no Brasil.

British Airways encerra operação com 747 no Brasil.

A Cia Aérea inglesa British Airways, realizou ontem, dia 10 de Agosto de 2016 o último vôo regular para São Paulo utilizando a aeronave  Boeing 747-400 . Durante quase três décadas a rota Londres – São Paulo foi servida por esta clássica aeronave, um dos mais emblemáticos aviões já construídos.

Chamado popularmente de “Jumbo”, o seu porte, a sua beleza e imponência se impuseram nos aeroportos e todas as grandes cias aéreas almejaram te-lo um dia em suas rotas. Se, para entusiastas e a população em geral nas décadas de 70 e 80 voar era um símbolo de status, voar em um Jumbo se tornou um diferencial na aviação comercial, abaixo apenas do Concorde, este, claro “hors concour”…

Infelizmente, para aqueles que como nós amam e apreciam a aviação, os belos e clássicos aviões estão aos poucos desaparecendo, em nome da economia, eficiência e capacidade de geração de lucros. Lá se foram os trimotores e quadrimotores, os últimos ainda resistindo bravamente,  mas se encaminhando inexoravelmente para o fim, restando apenas uma infinidade de bimotores padronizados, dezenas de grandes maquetes brancas espalhadas pelas pistas de taxi e fingers dos aeroportos.

A padronização tem seus benefícios e hoje a maioria da população tem acesso aos vôos comerciais, podendo através de um bom planejamento desfrutar de um confortável e seguro vôo em suas férias. Para nós, spotters e entusiastas restou hoje a ida aos aeroportos para apreciarmos as diferentes pinturas regulares e comemorativas estampadas ocasionalmente nos aviões. Pensando bem, as visitas acabam sendo em “morrinhos” nos arredores , pois em nome da segurança os aeródromos vão também se padronizando em restringir ou mesmo extinguir os mirantes e pontos de observação das aeronaves no pátio.

Voltando ao 747, eu ainda não consegui voar em um Jumbo…triste…