Aero Rock 2016, um show de acrobacias nos céus de Pará de Minas.
3877
post-template-default,single,single-post,postid-3877,single-format-standard,bridge-core-1.0.5,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,qode-theme-ver-18.1,qode-theme-bridge,disabled_footer_bottom,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.2,vc_responsive
 

Aero Rock 2016, um show de acrobacias nos céus de Pará de Minas.

Aero Rock 2016, um show de acrobacias nos céus de Pará de Minas.

Domingo, 11 de Junho, o Aeroclube de Pará de Minas, cidade a cerca de 100 km da capital abriu os portões e sua área de estacionamento para a realização de mais uma edição do Aero Rock, evento que mescla o ronco e a plasticidade dos aviões e suas acrobacias com a performance no palco de consagrados artistas nacionais. Após o show, a banda de rock Raimundos embalou a noite de aeronautas e roqueiros.

Neste ano, apresentaram-se no palco aéreo as aeronaves Buker Bu 131,  Boeing Stearman, 02 CAP 10, Yakovlev Yak- 52, Pitts model S-2 e model 12, Esquadrilha CEU com seus VANs RV8,9 e 10 e a Esquadrilha Extreme, com dois clássicos NA T-6 e dois Extra 330. Também se apresentaram 02 paragliders motorizados e ainda aeromodelos. Em um momento o show foi interrompido e uma homenagem foi prestada à família Textor, que perdeu um de seus integrantes, André Textor, em acidente durante show aéreo em Salvador . A esquadrilha continuará se apresentando com o pai , Rui e o filho Tiago Textor.

Durante o dia aeronaves e pilotos se revezaram apresentando diferentes performances, sempre exigindo o máximo de suas maravilhosas  máquinas voadoras. A locução perfeita e profissional foi executada pelo conhecidíssimo Vadico Aero, uma grande figura na aviação desportiva do país.  Foi um grande deleite assistir aos vôos de biplanos antigos como o Boeing Stearman e o Buker Bu 131, além dos treinadores North American T-6.  Por instantes os entusiastas e admiradores imaginaram estar na década de 40, assistindo a instrutores treinarem jovens pilotos para as batalhas aéreas ou ainda, no pós guerra, aos shows aéreos que começaram a se popularizar.

A Esquadrilha CEU se apresentou por duas vezes, com uma performance demorada, elaborada, que fez com que muitos abandonassem as câmeras fotográficas e apenas apreciassem ao belíssimo balé aéreo. A sequência de manobras de sua apresentação vai envolvendo os expectadores e quando termina deixa um gostinho de “quero mais”…Seus pilotos são militares que no passado serviram a Força Aérea Brasileira e trazem uma grande bagagem de vôos em formação e demonstração.

Os biplanos  Boeing Stearman e o Buker foram pilotados respectivamente  por Berg Jr, conhecido como Berguinho e por Guilherme “Sheriff“ Censoni, Os clássicos NA T-6, que tantos serviços prestaram no passado à nossa Força Aérea e à Esquadrilha da Fumaça vieram de São Paulo comandados por Carlos Edo e sua esposa Monica Edo.  O ronco forte e possante do motor radial Pratt & Whitney de 600 Hp,  avisa de longe a sua aproximação.

Duas modernas aeronaves CAP 10 demonstraram suas possibilidades acrobáticas tendo nos comandos Gustavo Panceri e Lucas Bonventi.  Lucas também trouxe seu moderno avião Pitts model 12, na cor vermelha e executou uma apresentação impecável com seu “brinquedo”, deixando a platéia extasiada e boquiaberta. Sem dúvidas ele é um dos melhores pilotos acrobáticos do país. O Extra 330 foi pilotado pelo Cmt Dennis Schwarzenbech , integrado a Esquadrilha Extreme.

O norte americano Skip Stewart levantou vôo com um Pitts modelo S-2 e iniciou sua série acrobática, a qual encerraria a jornada do dia. Infelizmente, após algumas manobras e passagens baixas uma parte do entelamento da asa superior se soltou e o piloto imediatamente aterrissou, encerrando prematuramente sua apresentação.

O site agradece ao organizador do evento, Mark Binder e aos pilotos e equipes que se prontificaram a comparecer e abrilhantar o evento. Também agradecemos aos coordenadores de imprensa, Raphael Brescia e Marcos Junglas.

Reportagem : Reinaldo Neves

Mais imagens:

.